top of page

Recosturando histórias

Mulheres e história da arte têxtil

CURSO ONLINE TEÓRICO

DE HISTÓRIA DA ARTE *

Próxima turma em abril/2024

Terças de 19 às 20:30 pelo Zoom

(as aulas ao vivo serão gravadas e disponibilizadas por 2 semanas para quem se inscrever na "modalidade gravada")

*Ressalto que se trata de um curso teórico e não haverá nenhum processo prático envolvido.

Assim como a elaboração de um Quilt (colcha de retalhos), nosso curso teórico de história da arte pretende articular as principais questões que envolvem a relação entre as mulheres e a produção têxtil a partir de suas histórias pessoais e coletivas tomando como base uma perspectiva feminista da história da arte. Desde artistas anônimas e suas "artes de armário", conceito que trabalharemos na primeira aula, até produções conscientemente subversivas que atuam na revitalização da história de mulheres do passado e suas técnicas ancestrais. Ferren Gipson em "Women's Work: From Feminine Arts to Feminist Art" considera a construção de seu livro tal como a de um Quilt e assim também consideramos este curso. Para ela, "no quilting, os blocos são unidades individuais costuradas para formar um desenho mais amplo – eles podem ser sólidos ou formados por diferentes cores e materiais. Dentro desta colcha de trabalhos de mulheres, cada artista tem seu próprio bloco (ou capítulo) onde poderá descobrir como a sua prática contribuiu para a história da arte têxtil e cerâmica nos séculos XX e XXI."

Partiremos de duas discussões que, apesar de parecerem ter sido superadas, ainda geram muitas controvérsias. Primeiro sobre a relação entre arte têxtil e "hobby art". Muitas mulheres artistas ao longo de suas vidas mantinham dois tipos de produções: uma para ser exibida de acordo com o gosto, mercado e questões morais (do que uma mulher poderia produzir ou não por ser mulher) e outra que a Lucy Lippard chama de "arte de armário", "passatempo", "hobby art", ou seja, aquela que a artista faz para si em sua intimidade, longe do olhar alheio e sem intenções expositivas. Ao mesmo tempo por saber que não seria "bem aceito" e porque ela mesma julga como uma produção "fraca" e "inferior". Um dos principais pontos abordados pelas teóricas e artistas feministas foi repensar a classificação hierárquica entre arte e artesanato. Essa reflexão surge junto ao processo de revitalização por artistas feministas das práticas tradicionalmente relacionadas às mulheres, como o bordado, a costura, o crochê etc. Nesse sentido, se propõe um novo pensamento do que é “arte” e muitas artistas passam a utilizar essas técnicas em suas obras.

E segundo sobre a relação entre arte e feminilidade que, de algum modo, se entrelaça ao primeiro ponto, uma vez que muitas das mulheres que produziam arte têxtil encontravam-se associadas ao espaço doméstico (outras utilizavam como forma de sustento e independência, como veremos) e a prática indicava habilidades manuais consideradas inferiores e supostamente adequadas ao temperamento de uma mulher. Na História da Arte hegemônica as mulheres foram sempre relacionadas a produções consideradas "inferiores" dentro da hierarquia de gêneros pictóricos. Embora, o entendimento da produção têxtil como "arte" tenha levado séculos, algumas pinturas à óleo feitas por mulheres ganharam muito mais o sentido "decorativo" do que propriamente de "grande arte".

A produção têxtil sempre esteve presente em processos individuais ou coletivos de mulheres. Os primeiros grupos de mulheres foram formados através de encontros que geravam a elaboração de obras têxteis em diversas culturas. As produções que iremos abordar abrangem desde tradições milenares de anônimas até artistas e coletivos contemporâneos que enxergam a potência política em resgatar essas práticas.

Esse curso também é para quem é artista e, principalmente, para mulheres que ainda encontram dificuldade de se entenderem como artistas. Você já deixou de mostrar algum trabalho seu por considerar que poderia ser mal interpretado ou que era irrelevante? Quantas mulheres destruíram ou tiveram trabalhos destruídos por terem sido considerados menores e inferiores? O que determina o que deve e o que não deve ser preservado como arte?

Inscrições encerradas

E Ganhar a Vida com Minhas Mãos

Para Me Livrar de um Anel Então

E Senhora de Mim Mesma Serei

E dessa escravidão me libertarei.

-- Trecho de uma estrofe de um mostruário do século 17

4 encontros pelo Zoom*

De 7 a 31 de janeiro de 2024

Todas as quartas de 19 às 20:30h 

*todos os encontros serão gravadas e ficarão disponíveis por 2 semanas para quem se inscreveu na modalidade "gravado". No momento só temos vagas para assistir gravado.

Passe para o lado para mais informações

tumblr_pgi7ncMULq1qb972xo10_1280.jpg

 INVESTIMENTO 

No cartão em até 3x R$130 (PayPal ou PagSeguro)

ou

À vista com 10% de desconto R$ 351 (Pix)

 

Por que entendemos o curso como um investimento?

Você sairá do curso com uma super bagagem artística e cultural, conhecendo mais sobre a História da Arte, porém a partir de uma perspectiva diferente e inovadora. O conhecimento é um bem imaterial que adquirimos para nos tornamos pessoas mais esclarecidas e conscientes dentro da sociedade. Ir a um museu com essa bagagem não impede e nem racionaliza a surpresa e experiência sensível com a obra de arte, ao contrário, potencializa sua relação com ela.

 

Imagens utilizadas de cima para baixo: 1. Carolina Caycedo (Muxeres em mim), 2. Eva Bonnier, Costureiras, 3. Anônima, Farmyard Scene (século 18), 4. Fotografia de Arthur Rothstein, Sewing a quilt. Gees Bend, Alabama, 5. Tuesday Smillie, Together, 6. Cecilia Vicuña, Disappeared Quipu, 7. Billie Zangewa, Body and Soul.

billie_zangewa_body_and_soul_71cm_x_71cm_hand_stitched_silk_collage_2021_large_2_edited.jp
bottom of page