20211017_140626 (1) (1).jpg

PROJETO ABERTO

 entrelinhas
da criação artística 

UM TETO SEU 

O nome do nosso projeto é "um teto seu" por motivos óbvios de aproximação com o texto de nome praticamente igual (Um teto todo seu da Virginia Woolf). E fala, entre muitas coisas, sobre a necessidade de um espaço para mulheres criarem, já que as demandas do dia a dia as afastam das demandas criativas.

 

Mas não quero limitar o espaço das mulheres ao íntimo e privado, uma vez que foi este mesmo espaço que limitou as mulheres em muitos sentidos. Hoje percebo que o texto da V.W. falava de um determinado grupo de mulheres, que não é o caso do projeto. Primeiro porque nossa proposta espacial vai além da fisicalidade e do privado e segundo porque acreditamos que todes têm direito a esse espaço de criação.

O ponto de partida dos estudos e pesquisas sobre as mulheres e seus espaços foi o interesse sobre os processos de criação e desconstrução de cânones da história da arte ocidental tradicional.

Desse modo, paralelo ao projetos pagos (curso "Mulheres Artistas na história da arte" e "Clube de Leitura: lendo teóricas da arte") promoveremos um projeto de leitura coletiva de obras teóricas ou literárias (que tenham a ver com a temática "arte") de caráter aberto para que mais pessoas possam participar do projeto

O projeto chama-se ENTRELINHAS DA CRIAÇÃO ARTÍSTICA.

SOBRE O PROJETO ABERTO 

No projeto aberto "Entrelinhas da criação artística" uniremos a leitura coletiva de livros de arte e/ou literatura e a crítica feminista da arte, abordando noções que circundam o imaginário da produção artística até os dias atuais: desde os mitos (sobre a personalidade artística, os ateliês e mistérios da criação) até processos práticos e diários, que nem sempre são tão encantadores assim. Falaremos de arte, artistas e seus processos de criação a partir da leitura de obras contemporâneas (de historiadores da arte ou não), obras de época e biografias. Cada encontro será destinado a ler capítulos de obras completas (veja o cronograma abaixo) que servirão de base para nossas análises sobre as entrelinhas da criação na história da arte.

Os encontros terão cerca de 1h de duração, nas sextas às 18h e ocorrerão de 15 em 15 dias.

Quem estiver inscrite receberá avisos das datas, das lives, dos links dos eventos e material  complementar e eventuais imprevistos exclusivamente por email.

Os encontros AO VIVO acontecerão através da nossa página no YOUTUBE. [Acesse aqui]

20211015_152659.jpg
20211017_140855.jpg

LEITURA PROPOSTA E CRONOGRAMA

Lendo Imagens, Alberto Manguel

Edição da Companhia das Letras [Livro físico aqui]

De 29 de julho a 28 de outubro: sextas às 18h

Resumo do livro: Toda imagem pode ser lida e traduzida em palavras, mesmo por um público não-especializado. É o que demonstra este livro, fruto de um intelecto curioso que combina erudição e simplicidade. Seu autor, Alberto Manguel, deixa de lado o vocabulário árduo da crítica e traduz para o leitor numa linguagem acessível as histórias que se ocultam em pinturas, esculturas, fotografias e projetos arquitetônicos. As obras examinadas vão desde a Roma antiga até o século XX. A vida dos artistas, as anedotas em torno da criação das obras, o percurso das ideias estéticas ao longo dos séculos - tudo isso também faz parte do livro. Para o público brasileiro, há uma curiosa surpresa: um dos capítulos é inteiramente dedicado a Aleijadinho. Artistas como Caravaggio e Picasso, entre outros, não ficaram de fora. O polêmico e recente Monumento do Holocausto também merece a atenção do autor.

Anote na sua agenda!

ENCONTRO 1: 29/07

O espectador comum: a imagem como narrativa

ENCONTRO 2: 12/08

Joan Mitchell: a imagem como ausência

Robert Campim: a imagem como enigma

ENCONTRO 3: 26/08

Tina Modotti: a imagem como testemunho

Lavinia Fontana: a imagem como compreensão

ENCONTRO 4: 9/09

Marianna Gartner: a imagem como pesadelo

Filôxenos: a imagem como reflexo

ENCONTRO 5: 30/09

Pablo Picasso: A imagem como violência

Aleijadinho: A imagem como subversão

ENCONTRO 6: 14/10

Claude-Nicolas Ledoux: A imagem como filosofia

Peter Eisenman: A imagem como memória

ENCONTRO 7: 28/10

Caravaggio: a imagem como teatro

Conclusão

INSCRIÇÕES ABERTAS

inscreva-se para receber avisos das datas, material e links.